Fotos

sábado, 5 de março de 2011

Sábado, dia 16 de abril!

Camelos, carneiros e cavaleiros: civilização ou Barbárie?

Os Cavaleiros do Buskashi

Com: Omar Sharif & Jack Palance



Confira a Programação completa na última postagem!

Conheça os Palestrantes

Cesar Augusto Barcellos Guazzelli é professor de História da UFRGS. Dedica-se as áreas de História da América Latina, Teoria e Metodologia, História e Literatura e História Social do Futebol. Foi orientador da primeira tese no Rio Grande do Sul sobre História e Futebol, e desde 2005 ministra, de forma pioneira, a disciplina de História Social do Futebol na UFRGS. Foi a partir de sua disciplina que os alunos organizaram o maior campeonato acadêmico de futebol da UFRGS: a Taça Cesar Guazzelli, que já contou com 7 edições em 5 anos. Também tem se dedicado a trabalhos relacionados a área Cinema-História, coordenando diversas atividades nos últimos anos. Publicou mais de 14 livros e 31 artigos em periódicos especializados.
Para acessar seu currículo: http://lattes.cnpq.br/4706540695818245




José Rivair Macedo é professor de História da UFRGS. Dedica-se a área de Idade Média com ênfase nos seguintes temas: cultura medieval, religiosidade cristã, imaginário medieval e África medieval. Também dedica especial atenção ao cinema, tendo participado de ciclos e publicado o livro A Idade Média no cinema. Publicou mais de 16 livros e 29 artigos em periódicos especializados.
Para acessar seu currículo: http://lattes.cnpq.br/7747731188919060

John Frankenheimer: um transgressor esquecido?

John Frankenheimer:
um transgressor esquecido?

Por Rafael HQ.

A história do cinema reserva espaço para cineastas com uma longa carreira e um grande número de filmes realizados. Um dos mais notáveis é Sidney Lumet, que declarou que decidia rodar um filme quando um roteiro o tocava, o que não o impedia de cometer alguns erros.  John Frankenheimer foi um profícuo realizador que começou a trabalhar na década de 1950 e findou no século XXI. Realizou mais de 50 obras trabalhando com grandes nomes, belas atrizes e estrelas da geração dos anos 1960 e 1970.

Iniciou a carreira como assistente de Sidney Lumet, trabalhando no filme 12 Homens e uma sentença. Roda seu primeiro em 1956, No labirinto do vício, estrelado por James MacArthur e Kim Hunter, figuras fáceis em trabalhos televisivos. Neste período ganha experiência na televisão, meio com o qual manteria uma relação próxima durante toda sua carreira. É, contudo, na década de 1960 que vive seu período mais fecundo, realizando obras notáveis que mesclavam roteiros inteligentes e criativas soluções estéticas. Inicia os desvairados anos 60 com o filme Juventude Selvagem, inscrito na esteira de filmes que enfocavam as inquietações da juventude do Babby Boom. Esta película, estrelada por Burt Lancaster demarca uma de suas preocupações presente ao longo de sua trajetória: a relação da violência com o indivíduo. O homem de alcatraz, também estrelado por Lancaster destaca seus valores humanistas. 1962 constitui-se num ano importantíssimo para sua carreira. Depois de lançar um filme que explora os conflitos familiares, O Anjo violento, com Eve Marie Saint e Warren Beaty, vem a tona um dos filmes mais polêmicos da história do cinema: Sob o domínio do Mal. Mais que um thriller impactante, o filme expressava de forma ímpar as tensões do período de Guerra Fria, ao narrar a história de um cidadão americano que havia sofrido uma lavagem cerebral pelos coreanos com o intuito de assassinar o presidente dos EUA. Estrelado por Frank Sinatra, Janet Leigh e Laurence Harvey, o filme manteve-se no centro de uma grande polêmica quando Lee Osvald confessou ter assistido a obra diversas vezes antes do assassinato de John Kennedy (atribuído a ele). Frank Sinatra tentou retirar o filme de circulação, o que só aumentou o interesse por esta obra. Foi refilmado em 2004, mantendo a premissa central, mas abordando o conflito do Iraque.  


Burt Lancaster, um parceiro notável, estrela seus filmes seguintes. Sete dias de maio enfoca novamente o poder dentro da política estadunidense. Substitui Arthur Penn em O trem, um filme brilhante que aborda os últimos momentos da dominação alemã sobre a França, na Segunda Guerra Mundial. Um oficial alemão que preservou diversas obras de arte dos museus franceses, contrariando a opinião dos superiores nazistas de que aquelas obras, nada mais eram do que uma arte degenerada, decide levar este patrimônio artístico para a Alemanha. Diversos membros da Resistência Francesa agem para impedir que o trem ultrapasse as fronteiras francesas. Uma belíssima reflexão sobre o valor da arte e sua importância na vida nas das pessoas e para a cultura de um país.


Em 1966, com Rock Hudson encabeçando o elenco, Frankenheimer produz um filme, que sem exageros, pode ser classificado como um marco na história do cinema mundial. O Segundo Rosto (Seconds no original) narra de forma inventiva e quase expressionista a história de um homem que decide mudar de vida radicalmente, realizando uma operação plástica no rosto e deixando todo seu passado para trás. Todo este processo era feito por uma empresa, que cuidava de cada detalhe para que a nova vida dos “renascidos” não fosse de encontro com sua velha existência. Refletindo sobre a relação da liberdade com a vida, a relação da essência com a aparência, e sobre qual a visão que um indivíduo tem de seu próprio passado, esta película apresenta um resultado primoroso e é capaz de desconsertar os espectadores ainda nos dias de hoje.



Com Grand Prix, abordando as corridas de Fórmula 1, inicia a abordagem dos esportes e do seu meio social. Termina a década de 1960 com três filmes: O extraordinário marinheiro, O homem de Kiev e Os pára-quedistas estão chegando.
Inicia os anos 1970 retomando os conflitos familiares com O pecado de um xerife, com Gregory Peck e a ninfeta Tuesday Weld. Em 1971 filma Os cavaleiros do Buskashi. Depois de alguns trabalhos televisivos, dirige a seqüência de Operação França, novamente estrelada por Gene Hackman. Volta a abordar o esporte, desta vez associado com o terrorismo, no impactante Domingo negro. Nos frios anos 1980, aborda o atentado sofrido por Aldo Moro em O ano da fúria, estrelado pela quente Sharon Stone em iníco de carreira. Depois de produções questionadas como Amazônia em chamas e A ilha do Dr. Moreau, termina o século XX com um bom filme de ação: Ronin, mas vem a falecer em 2002.



Frankenheimer nos brindou com uma vasta produção. Tal como os quadros, encaixotados no trem alemão, que muitos sequer conheciam, muitos filmes de Frankenheimer ainda precisam ser descobertos, pelo bem da história do cinema e dos espectadores.



A bela do sábado de tarde: Leigh Taylor-Young

Leigh Taylor-Young

Atriz nascida nos EUA em 1945, realizou diversos trabalhos para televisão ao longo de sua carreira. Além de Os cavaleiros do Buskashi, destaca-se na sua filmografia a ficção-científica No mundo em 2020 (Soylent Green), com Charlton Heston. Nos áureos anos 80 participou de outra ficção-científica, que nos dias atuais é considerada cult: Looker. Também participou de um clássico da sessão da tarde: Admiradora secreta. Seus trabalhos na televisão incluem participações nas séries Dallas, Barrados no Baile, Sunset Beach, Picket Fences e Passions.



O Buskashi

Tradicional esporte praticado há séculos na Ásia




O jogo do Pato: o Buskashi dos pampas?



Quem assistirá ao filme que abre o ciclo talvez não imagine que pelos nossos pampas também se pratica um esporte antigo, muito próximo do Buskashi praticado no continente asiático. Trata-se do Jogo do Pato, prática esportiva que remonta há séculos atrás. O antigo embate consistia em jogar um pato para cima e dois grupos, de cavaleiros se atropelavam para prendê-lo e encestá-lo em uma rede. Veja o que diz uma descrição de Félix de Azara em 1610: “juntam-se para isso duas quadrilhas de homens a cavalo e marcam-se dois lugares afastados mais ou menos de uma légua. Depois costuram um couro no qual se introduziu um pato vivo com a cabeça para fora. O couro tem duas ou mais asas ou braçadeiras, nas quais dois dos homens mais fortes da quadrilha se agarram, na metade da distância dos pontos designados; e dando esporadas puxam bem forte até que o mais poderoso leva o pato, caindo seu rival no chão se não abandonar antes. O vencedor começa a correr e os do bando contrário o seguem e o rodeiam até tomar o pato por alguma das braçadeiras, puxam da mesma forma, tornando-se vencedora a quadrilha que chegar com o pato no ponto marcado”. Ao longo dos anos o esporte foi proibido em algumas cidades, mas também encontrou defensores, tanto que em 1941 foi criada a Federação Argentina do Pato. Atualmente o esporte é praticado com uma bola com alças substituindo a referida ave. O jogo ganhou o mundo, e foi nomeado internacionalmente como Horseball. Em 2006, a Federação Argentina de Pato e a Federação Internacional de Horseball, acordaram a modificação do regulamento de Horseball adaptando-o ao Pato, intitulando-o de “Pato-Horseball”.
Confira o sítio da Federação:




O Jogo do Pato ou simplesmente Pato é esporte nacional dos "hermanos", e foi representado em imagens no famoso calendário Alpargatas em junho de 1935. O desenho é de Florêncio Molina Campos que pintava as coisas "guascas" do pampa.



O Buskashi, John Rambo e o valoroso povo do Afeganistão.

video

Posters